Sobre a vida real

É tão estranho sair dos sonhos (um estranho bom).

Tão acostumada a ver um filme água com açúcar, ou ler um romance e logo em seguida dormir pedindo aos deuses que alguma daquelas histórias acontecessem comigo.
Uma vez um amigo me disse: Você espera um amor de filme, e se continuar esperando isso, vai morrer sozinha numa casa cheia de gatos, eu adoro gatos, mas não gosto dessa ideia de sozinha. Ele me disse que conheceu a namorada em uma festa, “ficaram” durante alguns meses, nesse meio tempo ele “ficou” com outras garotas também, e um dia decidiram que estavam namorando, aconteceu.
Eu perguntei a ele: é essa história que você quer contar aos seus netos, depois de comer um imenso pedaço de bolo de chocolate com sorvete? – Então ele me disse: Você sonha demais.
Já escrevi muitos “Amas veritas” (vide filme “Da Magia a sedução”), já deitei pra dormir imaginando mil maneiras de como seria, quando eu encontrasse o amor, inventando historinhas na cabeça, pequenos roteiros, uma noite era na praia, outra ele era vizinho de apartamento do irmão, e quando eu fosse conhecer Curitiba o encontraria… Na outra ele leria meu extinto fotolog e se identificaria com os textos, então comentaria dizendo ser “Ele”.
Eu tentava mandar mensagens pra ele pela mente, contar como foi meu dia, dizendo que o dia da gente se encontrar estava cada vez mais próximo.
A vontade de saber da sua existência era tão grande, que consultei uma cartomante, e ela me disse: “Você vai “se amarrar bem cedo” você vai encontrar 2 amores antes do seu príncipe, serão sérios pra você, porém serão passageiros. Ele nasceu pra você, mas está esperando a hora certa pra aparecer. Ele está na cidade onde você vai fazer o seu destino.
Eu pirei, claro, naquela época eu pensava que moraria em Curitiba e cursaria jornalismo em uma faculdade pública, na mesma noite já sonhei com o primeiro dia de aula, onde eu ia com cabelos vermelhos e minha aposentada calça de estampa de zebra, então encontraria ele na biblioteca.
A vida nos surpreende, e eu sou a prova viva disso, foi mil vezes melhor do que todos os contos criados pela minha mente.
E hoje lendo todos os textos que escrevia nessa época, vi que ele se encaixa em todos, a sua maneira.
Eu fiquei em Itapeva, curso Direito ao invés de jornalismo.
A primeira vez que reparei nele foi na cantina e não na biblioteca, e meu comentário foi “Olha que legal aquele cara com um moletom do Flash!”
Eu tenho cabelos pretos e não vermelhos, e a calça de zebra está na gaveta.
Nós não “ficamos alguns meses e decidimos que estávamos namorando”
Ele me beijou em uma cena cinematográfica, e me pediu em namoro

Ele é tudo que eu pedi, em uma versão melhorada

Nunca deixem de sonhar

* Nota da autora 11/09/2014 – Não há melhores personagens pra ilustrar esse texto do que o Flash e a Mulher Maravilha, e isso é uma coisa tão “nós” ♥

Anúncios

Sobre sonhos realistas #2

Bom dia gente bonita, sonharam bonito hoje?

Em um outro post escrevi sobre um sonho muito realista que tive com duas amigas muito queridas.

Esse do qual vou falar hoje, já tive fazem uns dias… 23 de dezembro de 2012, o que me inspirou uma vontade muito grande de ir a praia que despertou hoje junto comigo.

Estávamos na praia (não sei qual)uma viagem feita com a faculdade, só lembro de duas pessoas lá Felipe (vulgo panda, meu namorado) e Mimi , depois de umas voltas na areia, e ouvir aquele barulho maravilhoso que faz o mar, fomos visitar o aquário da cidade.
Sabe aqueles aquários, em que você entra e todas as paredes são de vidro… só vi em filmes… na frente do aquário tinha uma baleia encalhada, eu fiquei desesperada e queria salvá-la! E ela falou comigo (oi?) me disse que esse aquário era diferente, que ele era conectado com o mar, e todos os peixes e criaturas passavam do aquário para o mar na hora em que quisessem, perguntou também se eu queria entrar lá! É uma coisa surpreendente, eu não sei nadar, nunca soube, tenho medo, mas morro de vontade de aprender… e então a baleia disse (oi?) que não precisava saber nadar, que ela me guiaria, então fui.
Lá dentro era muito escuro! e eu respirava de baixo d’água! A gente ia muito rápido, e não teria como explicar a sensação que foi viver aquilo, eu vi muitos peixes, peixes que brilhavam, peixes lindos, peixes horríveis, e então bem de relance eu vi, não sei dizer ao certo os nomes mas … pareciam ser uma sereia e um tritão, mas ele tinha algo que me fazia lembrar, parecia Poseidon! Foi muito rápido! E então, eu perguntei a baleia se os administradores do aquário sabiam daquilo (o aquário era muito maior olhando de dentro do que de fora, não tinha fim) ela me disse que ninguém sabia o que entrava ou saía do aquário, pela conexão que ele tinha com o mar, então visitar lá seria sempre uma surpresa…
Ao Final da visita , maravilhada, encontrei Felipe e Mimi, e fomos a loja do aquário, comprar souvenires, e lá encontrei uma coletânea de livros sobre mitologia, onde encontrei a foto das maravilhosas criaturas que vi lá dentro, eram 3 livros de capa dura e azuis, eu não tinha dinheiro pra comprar (até no sonho essa pobreza) e fui pra casa pensando se os encontraria pra comprar na internet… em Itapeva ou pra baixar… então acordei, e esse é um daqueles sonhos que eu não esqueci ao acordar, e nem vou esquecer…

Esse sonho me lembra Dumbledore em Harry Potter e as relíquias da morte ~

“ – Me diga uma última coisa – disse Harry. – Isto é real? Ou esteve acontecendo apenas em minha mente?
Dumbledore lhe deu um grande sorriso, e sua voz pareceu alta e forte aos ouvidos de Harry, embora a névoa clara estivesse baixando e ocultando o seu vulto.
– Claro que está acontecendo em sua mente, Harry, mas por que isto significa que não é real?
RdM, cap. 35, pág. 562

um beijo Sweethearts, e lindos sonhos pra vocês!